segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

CURIOSA VIDA

Um relógio de trás para frente. Quantos não gostariam de contar o tempo ao contrário? Esses seres humanos inconformados com o destino... Em busca de retomar o tempo perdido ou de reverter o já acontecido, um pai busca o filho morto na volta do tempo e um outro pai rejeita seu rebento, por vê-lo como um monstro, não como filho. Eis o mote, eis a questão. Cria-se o cenário de Benjamim Button. Três horas de filme e nem parece. O filme nos hipnotiza com poesia constante: um beija-flor coração, beija-flor liberdade, beija-flor infinito; uma criança-velho crescendo em meio a idosos; o grande amor num olhar; a espera rasga o tempo em busca do momento certo, momento em que os dois estão quase com a mesma idade em vida; um pequeno delírio no mundo do "se", como fazemos sempre, só que o inusitado é imaginar tantos "ses" juntos para tanta gente, isto tudo num lamento por um acidente, o qual não pôde mesmo ser evitado; a vitória contra o egoísmo, deixando pessoas queridas crescerem sozinhas, apesar do amor, ou melhor, por causa do amor.

Quanta coisa num só filme! Tantas que o relógio andou parado nestes últimos dias, tentando resgatar impressões, idéias, falas tão importantes. Comentar a respeito delas? Falar, desenvolver algo? Era a intenção. Mais uma vez percebi que não se explica a beleza, apenas se sente:

"Era um lugar maravilhoso para crescer, com pessoas ao redor com experiência de vida, falavam sobre o tempo, sobre a temperatura do banho e sobre o pôr do sol no final do dia."

"O curioso é que as pessoas que lembramos menos, são as que mais nos marcam".

“_ Nasci velho.
_ Sinto muito.
_ Não é necessário, não há nada de errado com a velhice.”

"Para as coisas importantes, nunca é tarde demais (...) Não há limite de tempo, comece quando quiser."

"Podemos ficar zangados com as situações, podemos reclamar ou amaldiçoar o destino, mas quando chega o fim, temos que aceitar."

"Espero que veja as coisas que a assustam.
Espero que sinta coisas que nunca sentiu antes.
Espero que conheça pessoas com diferentes opiniões.
Espero que viva uma vida da qual se orgulhe.
Se você achar que não tem, espero que tenha a força para começar novamente."

Curioso...mas a vida, independente da direção que se queira dar, segue sempre o seu curso e guarda sempre grandes lições para quem quer ser um bom aprendiz.


Magna Santos

3 comentários:

Rômulo Wehling disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luna Freire disse...

Estou de volta, Magda. Um abração.

Hérlon Fernandes Gomes disse...

Lembrando Cecília Meireles, a fada das palavras: "Se algum de nós avistasse o que seríamos com o tempo, todos nós choraríamos de mútua pena e susto imenso". Comentário poético! Fiquei curioso por ver o filme e pela conterrânea que tão bem trata as palavras! Voltarei mais vezes! Abraços.