segunda-feira, 18 de maio de 2009

DONA INSPIRAÇÃO

Há dias que a espero, mas ela finge não me ver. Aliás, é sempre assim: quanto mais a queremos, mais a perdemos. Melhor é deixá-la ir, por si só terá vontade de voltar um dia.

Sempre temperamental, chega quando quer, não adianta espernear. Alguns dizem que já a possuem naturalmente. Não consigo entender e me controlo para não julgá-los mentirosos. Talvez não sejam, talvez não. Talvez o problema seja meu que ainda não ganhei sua simpatia incondicional. Sim, terá que ser incondicional, pois o que farei nos dias que a preguiça não deixar pensar? No dia em que as palavras gargalharem em vez de sorrirem, gritarem ao invés de sussurrarem?

Ah, bendita inspiração que acontece quando menos esperamos, que nos surpreende sem nenhuma caneta, cotoco de lápis, muito menos papel e com uma memória incapaz de reter o já sabido, quanto mais o inusitado...

Santa inspiração que gosta das noites, quando o silêncio vem nos visitar. Gosta daquela solidão instantânea, passageira, quando os momentos parecem se alongar ou refletir a beleza das ruas, das praças, das gentes.

O relógio se arrasta e a fuga é inevitável. Impossível não viajar nos pensamentos, nos sonhos, nas ilusões. A falta dela nos deixam volúveis, enche um barril inteiro de ausências, ao ponto de estar aqui sem saber como terminar esta conversa, mantida por força dos dedos. Perdoem-me a escassez de assunto e essas palavras tão evasivas. Quando ela voltar mais complacente, há de deixar os seus rastros neste terreno de sementes. Por ora aceito humildemente a sua falta e peço: paciência.

Magna Santos

7 comentários:

tesco disse...

Parece-me que a maioria, pelo menos muitos dos colunistas da web, supre a falta de inspiração pelo método do "brain-storming", vão escrevendo primeiro pra pensar depois. O problema é que alguns deles não pensam depois que escrevem. _Beijos.

Marina disse...

Ah, faz tempo que ela não passa por aqui. Mesmo assim, vou escrevendo coisas insignificantes até ela resolver aparecer. Parar de esscrever é que nós não podemos, certo?

Beijos, querida!

Pachelly Jamacaru disse...

Inspire-se em não se inspirar que a inspiração virá inspirada!
Uma visita para um abraço!

clarisse disse...

pois achei inspiradíssima essa sua falta de inspiraçào, querida! ah, se a minha me rendesse tão lindas palavrinhas encarreiradas! beijos!

Hérlon Fernandes Gomes disse...

Cara Magna,
às vezes as melhores coisas não vão para o papel, mas mesmo assim esse relâmpago fugaz de inspiração consegue nos presentear com uma plenitude singular... A inspiração é um presente que nos visita como a figura inesperada e cativante de um beija-flor no nosso jardim! Abraço forte.

Eduardo Trindade disse...

Nem sempre é fácil... Mas geralmente acho melhor não pressioná-la; deixo-a à vontade, às vezes faço ares de pouco-caso, até que ela vem me fazer companhia.
Ah, essa inspiração tão arisca!
Abraços!

PS: desculpa minha ausência, é que estive viajando de férias.

Josias de Paula Jr. disse...

Ah, essa terrível espera criativa! Mas a descreveste de forma muito precisa. E mais: no post seguinte, inspirada nas fotgrafias, esnobasse da referida aus~encia...