domingo, 10 de abril de 2011

PREGUIÇA

Nessa preguiça em que me encontro
Viver é fácil

Deslizo

Escorrego
De todas as dores e desconfortos


Nesta preguiça
Encontrar-me é difícil
Pensar também

Falar impossível
Cantar mais ainda

Deito e assisto
Ao nada que produz
Um levitar de ares ao redor de mim

Respiro como se pensasse
Como se
Falasse
Como se
Cantasse

E assim fico
Esquecida de mim



Magna Santos

9 comentários:

Tadeu Rocha disse...

E a poesia energiza mais que guaraná com açai. Ainda que o tema aqui seja preguiça, revigorado fico com cada poema seu. E que tenhamos todos uma semana maravilhosa.

Magna Santos disse...

Ah, Tadeu, que coisa boa ler tuas palavras!
Escrevi este após ir no teu blog e bater aquele papo com teus poemas, contigo e Arsênio...hoje me dei o direito da preguiça. Mas a segunda já está aí: lúcida com os seus óculos a me abrir os olhos para os afazeres.
Certamente, a semana será boa para todos nós.
Obrigada de verdade pelas palavras que chegam, sim, me enchendo de uma alegria revigorante.
Abração.
Magna

Dois Rios disse...

Bendita preguiça, Magna!

Queria poder falar mais da minha admiração pelo seu talento em escrever e poetizar. Porém "mais" sempre ficaria aquém do tanto que eu gostaria de falar.
Expresso, então, meu amplo e vasto contentamente e ler-te.

Beijos,
Inês

p.s. Vou desabilitar por uns tempos, os comentários do Dois Rios. É que ando sem tempo para retribuir as visitas.

Magna Santos disse...

Inês, muito obrigada.
Mas, olha, não tome como "obrigação" retribuir a todos não, minha amiga.
Se pra você é melhor desabilitar comentários, que seja, porém, essa vida está tão corrida, pescadora, que podemos aliviar ao menos aqui. Eu gosto muito mesmo quando você aparece, diz algo que, sempre, pra mim acrescenta, nutre, mas entendo perfeitamente quando não acontece. Sei, inclusive, que o silêncio é, muitas vezes, o comentário de quem não gostou ou simplesmente não quer dizer nada. E isto é também bom, ao menos, é uma oportunidade para trabalharmos a humildade. Viva sim as diferenças, até porque ai de nós se não fossem elas.
Abração bem grandão!
Fique com Deus!
Magna

Dois Rios disse...

Pois é, Magna, você falou uma grande verdade. As vezes sinto-me obrigada a retribuir visitas por mera educação e não por prazer em visitar os sites.
Há pessoas que comentam qualquer bobagem, ou simplesmente copiam e colam orações, frases de auto-ajuda e outras bobagens que nada têm a ver com o post, só para somar comentários nos seus blogs. Fica nítido que elas nem tomaram conhecimento do conteúdo da publicação.
Confesso que cansei disso. Por enquanto vou continuar postando minhas poesias e visitando somente os blogs de pessoas que eu gosto e que sempre trocaram delicadezas comigo. Você e as suas Sementeiras é uma delas.

Um grande e afetuoso beijo,
Inês

Magna Santos disse...

Seja sempre bem-vinda, Inês.
E muito obrigada por me incluir no rol das pessoas queridas.
Fique com Deus!
Beijão.
Magna

SABATIKA disse...

me adiciona no MSM
fernando.farias7@hotmail.com

Luna Freire disse...

Ah, Magníssima: que bom que tua preguiça é tão produtiva em versos. Eu, de minha parte, flutuo entre o silêncio das palavras que a rotina rouba, o silêncio das palavras que a preguiça cala, e o melhor dos silêncios: o de quando a vida fala e não há mais nada a dizer... Só quando escapo desta tríade é que consigo produzir.

Magna Santos disse...

Olá, Fernando, trabalhador das letras e companheiro de filas de teatro que tanto me ajudou a ver Roliúde. Mandarei um email pra ti. Esse negócio de MSN não é muito a minha praia não, tá?

Fabi(deu preguiça de dizer teu nome todo), isto é o que chamo de aula poética. Deus do céu! Fiz a tua equação e descobri que descobriste o caminho dos deuses. Maravilha! Tu e tuas palavras-pontes sempre embelezando o ambiente.
(Pra quem não sabe: Fabiana e algumas poucas almas fazem um trabalho LINDO na Biblioteca do Coque - visitem os blogs da biblioteca e o dela: Palavras-pontes, ambos aí do ladinho).

Beijão, amigos.
E muito obrigada.
Magna