quinta-feira, 29 de outubro de 2009

OLHOS FECHADOS*

E hoje eu vi a face da morte.
Sorriu para mim
Em pleno inverno
Deitou-se no chão
E me falou de saudades
Apertou meu coração
Depois chorou
E eu sorri
Para não falar.
Hoje vi a cara da morte…
Era feia
E bela
E feia de novo
E bela outra vez
Até que fechei meus olhos
E nunca mais os abri.

Magna Santos

*Palavras dedilhadas a partir da leitura "Cantiga para Laura Avellaneda Santomé" do blog Razão e Poesia de Gustavo de Castro.

7 comentários:

David Jr. disse...

Fechar os olhos para a morte, acabar com o pesadelo que ela carrega, creio que ela seja, realmente, o que você diz no poema.
Eu que não quero ver a morte, infelizmente um dia vou ter que ver!
Abraço.

Josias de Paula Jr. disse...

É melhor fechar os olhos e nunca mais o abrir que não poder nunca fechar os olhos - tal como a moça descrita lá nos Inscritos...
Belo poema!

ps:Boa indicação de blogue também.

Anônimo disse...

O bonito é olhar a vida e vê-la com as cores da felicidade e daalegria ... Não precisamos olhar a morte, pois ela é que vai olhar pra gente, sem ressentimentos!


Um grande abraço !!!!


André

Dimas Lins disse...

Magna,

Belíssimo. A começar pelo nome, que resume bem o que estar por mim.

Já escrevi tanto sobre a morte, já matei tantos personagens de formas tão diferentes e percebo que este é um tema inesgotável.

Por ler seus inscritos novamente.

Dimas

Luna Freire disse...

Lindo, Magna. E vivo, muito vivo!!!

Magna Santos disse...

Meus amigos, todos vocês me acrescentaram. Obrigada.
Às vezes se fechar os olhos nos coloca com a boca também fechada, por falta do que dizer, ou mesmo, porque o silêncio soa melhor.
Mas creio que posso dizer a vocês que vi a face da morte na face de alguém, ela estava viva, agora...ainda continua, só que em outro lugar. Disto tenho certeza.
Beijos!
Magna

Educaluzzs disse...

Magna o medo é uma doença depressiva, quem escreve não pode deleitar-se em temas como morte, se você é uma plantinha que está brotando para a vida, é como diz um certo compositor: " VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ", Seja sempre dócil as coisas que fazem bem a alma e o coração, a alegria é uma fonte de inesgotável sabor, saborei alegria, e transborde entre amigos. Recite poemas encante a vida. Aproveita a graça de escrever, seja engenhosa ao ponto de abrangir mais amigos, que te parabenizam, porque se encontrarem dentro dos seus versos. Um abraço, ZS, não a marca do Zorro, mais de um poeta, chamado: Zé Santana,abraços>>>